Publicada em 06/03/2017, às 09:36

Intenso, goleador e "pifador": como Gata Fernández se encaixa no Grêmio

Argentino chega como opção para Bolãnos como meia ou a Luan como falso nove, embora não tenha empolgado no Chile. Meia tem estilo de D'Alessandro, agora rival

Gaston Fernandez é reforço gremista para a temporada (Foto: Reprodução / Twitter)

Novo reforço do Grêmio, o meia-atacante Gastón Fernández desembarcou em Porto Alegre neste domingo, enquanto o clube gaúcho se mobiliza fora dos campos para o inscrever ainda a tempo na primeira fase da Libertadores. Depois passar por problemas com a torcida da Universidad do Chile, a contratação gremista chega como opção a Luan, como falso nove, ou a Bolaños, ao aproveitar a característica de armação e com bola qualidade no passe e que sabe deixar os colegas na cara do gol.

Com números positivos, mas com altos e baixos, o argentino chega para compor o grupo. Terá de iniciar atrás na fila pela concorrência na vaga.

Baixe o App oficial do FutNet no Google Play Store ou na Apple App Store



Confira abaixo uma análise do GloboEsporte.com, com base no depoimento de jornalistas estrangeiros, de como Gata Fernández pode ser utilizado por Renato Portaluppi:

PARTE TÁTICA

Seu posicionamento na sua passagem pelo Chile indica onde o jogador brigará por vaga: atrás de um último atacante. Em um cenário ideal, Barrios. Atualmente, é na função no qual o equatoriano Miller Bolaños atua - e muito bem, por sinal. Além disso, Fernández também fez a função de falso nove na La U, algo usualmente realizado por Luan. Lá, não jogou pelas beiradas - sua característica o puxava sempre para o centro do jogo.





Bem fisicamente, mantém alta rotação de intensidade na maior parte do tempo. É um meia que proporciona dinâmica e se aproxima dos companheiros. Uma característica mais próxima a de Bolaños se comparado ao lesionado Douglas, em recuperação de cirurgia no joelho esquerdo. Foram 24 jogos em Santiago, com 11 gols marcados - média de 0,45 gols por jogo. Sofreu também com uma equipe que não passa por um bom momento e teve três treinadores em um ano. Embora os números positivos, recebeu críticas da imprensa chilena.

- Fez 11 gols em pouco mais de 25, 30 partidas, não é má porcentagem. O problema é que Fernández parecia sempre, ou foi cada vez mais parecendo, indolente ao desenvolvimento da equipe que não teve grandes atuações. Jogou como enganche, como 10, e em outros momentos, jogou com um segundo atacante. E também como um falso nove. Geralmente, ou era falso nove, ou como enganche. Não teve a capacidade para acoplar-se no estilo de jogo que o propuseram com os treinadores Beccacece, Castañeda e Hoyos - comentou Carlos Madariga, jornalista da Rádio ADN de Santiago, no Chile.

FÃ DE D'ALE

Antes da La U, Fernández esteve no Estudiantes. O time de La Plata é como a casa do meia-atacante. Já foram três passagens, todas com bom futebol e sendo um dos destaques da equipe argentina. Também brilhou com a camisa do San Lorenzo, mas é ao lado de Verón e companhia que mais se sentiu à vontade para ser o meia armador que o Grêmio pretende ter contratado.

No fim de 2015 e 2016, passou com destaque pelo clube argentino. Em Porto Alegre, encontrará D'Alessandro no arquirrival tricolor. Criado também no River Plate, Gata Fernández gosta do estilo do compatriota. Em 2016, foram 16 jogos e seis gols anotados no clube. No fim de 2015, já havia feito 11 partidas e três gols. No total, 27 compromissos e nove gols, com média de 0,33 por jogo. No clube, em 2009, levantou a taça da América na final sobre o Cruzeiro, além de um título nacional na temporada seguinte.

- Gosta do D'Alessandro e tem características similares, embora La Gata faça mais gols. Gastón Fernandez tem um sentido de pertencimento grande ao Estudiantes. Conseguiu várias conquistas, os momentos que teve, tem um carinho grande pelo clube, com a torcida, com o lugar, a ponto de estar em La Plata na última sexta. Sempre teve bom rendimento. Na última etapa, mais ainda. É um jogador importantíssimo nos esquemas que estão usando. La Gata, no geral, joga pelo centro, por trás do camisa 9. Jogou de enganche ou falso nove com Gabriel Milito - explicou Fernando Serrano, jornalista na Rádio La Redonda FM 100.3 de La Plata.

- Em todos os ciclos sempre rendeu bem no Estudiantes. É um grande jogador. Tem uma grande pegada e realiza bons passes para gol. É habilidoso, te brinda com a pausa necessária parra a equipe ver bem o que pede a jogada - analisou Bruno Garachico, diretor do site infopincha.com.ar.

POR QUE "GATA?"

Além de suas qualidades como jogador, chamou atenção também no Brasil o seu apelido: La Gata. O seu apelido, conforme jornalistas da Argentina, é por conta do formato dos seus olhos, parecido com a pupila dos felinos quando fechadas para evitar a luz. Além disso, o seu nome, Gastón, também tem sonoridade parecida e acabou ajudando para o apelido pegar. Antes do acerto com o Grêmio por dois anos, com possibilidade de renovar por mais um ao fim do vínculo, o jogador este perto de voltar ao Estudiantes. Pelo impasse envolvendo o futebol local e a greve de atletas, poderia ter uma possibilidade de contratar novos jogadores. O que não ocorreu.

Fonte: GloboEsporte
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - Grêmio