Publicada em 04/03/2017, às 09:33

“Todos são importantes”: no Cruzeiro, 83% dos jogadores de linha já atuaram

Nesta temporada, o técnico Mano Menezes busca colocar todos do elenco em campo

Técnico Mano Menezes conversa com os jogadores do Cruzeiro (Foto: Thaynara Amaral)

Equilíbrio. Essa é a palavra chave para definir o início de temporada do Cruzeiro. Pensando em voos altos em 2017, o clube manteve as peças de 2016 e se reforçou pontualmente no mercado. A "cereja do bolo", na janela de transferências, foi a chegada de Thiago Neves, tratado, agora, como principal estrela do time. E o técnico Mano Menezes tem demonstrado bastante confiança em seus jogadores. Neste ano, o comandante celeste já utilizou 24 dos 29 jogadores de linha do grupo - correspondente a aproximadamente 83%, ou precisamente 82,76% do elenco.

Dos 24, quem mais atuou foi Leo: nove partidas, todas como titular. Na sequência vem Arrascaeta, com sete partidas como titular e duas como suplente, e Alisson, atuando em seis jogos desde o começo e três como reserva (veja a lista completa ao final da matéria). Quem menos jogou foi Murilo Cerqueira: apenas um, como suplente - no amistoso com o Brasília. Quem ainda não entrou em campo nesta temporada foram: Dedé, Edimar, Lucas Ventura, Marcos Vinícius e Judivan.

Dedé e Judivan estão readquirindo a forma física, após se recuperarem de lesão. Lucas Ventura (estiramento na coxa direita) e Marcos Vinícius (torção no tornozelo direito) foram outros que sofreram com contusão, mas já estão aptos a jogar. Já Edimar não se machucou, mas não teve chances na lateral esquerda. Contando com os goleiros, Rafael iniciou entre os 11 em todos os duelos. Fábio - já treinando com os companheiros -, Lucas França e Lucão ainda não entraram em campo.

Há casos específico, na equipe, também. Caso de Thiago Neves, que ficou quase um mês sem poder atuar por falta de regularização na CBF, e Lucas Silva, que chegou já com o início das competições.

Leia Mais
- Fábio critica "haters" e fala sobre sondagem de rival: "Se fosse por dinheiro, já tinha saído"
- No Instagram, Fábio pede 'menos ódio' aos críticos
- Em jogo de reviravoltas, Cruzeiro busca empate no Mineirão e impede Grêmio de ser líder
- Fifa intima Cruzeiro a pagar dívida por Ábila, mas time promete recurso
- Leia mais notícias sobre Cruzeiro em www.futnet.com.br/cruzeiro

Para Henrique, volante e capitão do Cruzeiro, ter um grupo equilibrado é fundamental para um clube conquistar as vitórias e ser campeão. Nesta temporada, a equipe celeste já disputou 10 jogos (nove oficiais e um amistoso): venceu nove e empatou um. No Mineirão, segue 100% de aproveitamento, com seis partidas e seis triunfos.

- Esse é o caminho, esse é o pensamento. A gente sempre quando pega histórico de times que conquistaram títulos, todos eles tinha isso no elenco. Jogadores que estavam bem, jogando, e os que estavam fora tinham qualidade. Por isso, teve suas conquistas. Quando um sai, o nível e a qualidade vai estar sempre o mesmo. Isso é importante ao longo prazo. É importante para equipe e o clube ter sempre isso no elenco.

Time base

Pelos últimos jogos do Cruzeiro, o técnico Mano Menezes já definiu o time base para este início de ano com: Rafael; Ezequiel, Manoel, Leo e Diogo Barbosa; Henrique e Ariel Cabral; Robinho, Arrascaeta, Thiago Neves e Rafael Sobis. Apesar de trabalhar com essa equipe, na maioria das partidas, o treinador faz questão de afirmar que todos os jogadores são importantes e serão utilizados no momento certo.

- O fato de definir uma equipe base, não quer dizer que os outros jogadores não serão importantes e não serão utilizados. A equipe base aponta para a utilização num número maior de vezes, os mesmos jogadores. Isso vai dando conjunto, entrosamento, que a equipe precisa ter de forma muito rápida para resolver os lances e construção das jogadas. Mas todos os jogadores serão importantes e serão utilizados e vão mostrar isso, como já mostraram até agora. Não tem jogar esse número de jogos todos e achar que os jogadores vão suportar, em termos físicos, jogando a cada três dias e meio.

Quantidade de partidas de cada jogador de linha do Cruzeiro em 2017:
Leo - nove partidas (todas como titular)
Arrascaeta - nove partidas - (sete como titular e duas como suplente)
Alisson - nove partidas (seis como titular e três como suplente)
Ariel Cabral - oito partidas (todas como titular)
Henrique - oito partidas (todas como titular)
Diogo Barbosa - oito partidas (sete como titular e uma como suplente)
Rafael Sobis - oito partidas (sete como titular e uma como suplente)
Robinho - oito partidas (sete como titular e uma como suplente)
Ezequiel - sete partidas (todas como titular)
Kunty Caicedo - sete partidas (seis como titular e uma como suplente)
Rafinha - sete partidas (três como titular e quatro como suplente)
Elber - sete partidas (duas como titular e cinco como suplente)
Manoel - seis partidas (cinco como titular e uma como suplente)
Ramón Ábila - seis partidas (três como titular e três como suplente)
Mayke - cinco partidas (três como titular e duas como suplente)
Fabrício - cinco partidas (uma como titular e quatro como suplente)
Hudson - quatro partidas (três como titular e uma como suplente)
Bryan - três partidas (duas como titular e uma como suplente)
Lucas Romero - três partidas (duas como titular e uma como suplente)
Alex - três partidas (duas como titular e uma como reserva)
Lucas Silva - três partidas (todas como suplente)
Thiago Neves - duas partidas (todas como titular)
Raniel - duas partidas (uma como titular e uma como suplente)
Murilo Cerqueira - uma partida (como suplente)
Nenhum jogo: Dedé, Edimar, Lucas Ventura, Marcos Vinícius, Judivan

Fonte: GloboEsporte
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - Cruzeiro