Publicada em 17/02/2017, às 14:20

Chateado com tratamento, Cristian admite deixar Timão: "Preciso jogar"

Fora do Paulistão, volante fala pela primeira vez em deixar o clube alvinegro, com quem tem contrato até dezembro. Jogador cobra mais clareza de Alessandro e Carille

Sem espaço, Cristian já admite deixar o Corinthians (Daniel Augusto Jr/ Ag.Corinthians)

A história de Cristian no Corinthians pode estar perto do fim. Fora da lista de inscritos no Campeonato Paulista, o volante de 33 anos começa a admitir a possibilidade de deixar o Timão em caso de proposta. O contrato dele com o clube alvinegro é válido até o final deste ano. Em entrevista ao Globo Esporte, ele não escondeu sua insatisfação com o atual momento.

– Eu tinha uma vontade grande de continuar, sei que as coisas não dependem só de mim, mas a situação como está hoje... Preciso jogar, independentemente de qual clube.

– Bobo a gente não é, não estou inscrito no Paulista, o que vai mudar nos outros campeonatos? Teve a Copa do Brasil e não fui usado. Tem de continuar treinando, quando vier uma oportunidade boa para mim...Se não sou usado hoje, nada vai mudar em três meses.

Leia Mais
- Corintianos esgotam ingressos para final do Paulistão em 45 minutos
- Jô se diz decisivo e destaca importância de título para o Corinthians
- Corinthians estreará segunda camisa no domingo, contra a Ponte; veja o modelo
- Em nova guerra política, Conselho do Corinthians vota contas nesta quinta-feira
- Leia mais notícias sobre Corinthians em www.futnet.com.br/corinthians

A chateação do jogador é com duas pessoas: o técnico Fábio Carille e o gerente de futebol Alessandro Nunes. Tudo porque, segundo Cristian, a dupla avisou que ele estaria fora dos planos da equipe apenas dias antes do início do Paulistão, o que fez com que ele perdesse tempo.

– Se me avisam isso antes, em dezembro, quando já estava todo mundo sabendo da programação, seria mais fácil para todo mundo, não teria esse transtorno todo nem para mim nem para o Corinthians. Acho que as pessoas podiam ter sido mais claras em dezembro, em vez de esperar o campeonato começar para avisar – lamentou.

– Seria mais justo, acho que da parte deles e da minha, você avisa para um funcionário que ele não serve e ele tem tempo adequado para procurar outras coisas. As pessoas podiam ser mais claras, não só o Fábio, mas o Alessandro também. A gente é homem, meu carinho pelo Corinthians nunca vai acabar, o que as pessoas estão tentando ou querem fazer, nunca vai acabar, minha história está lá, seja boa ou ruim, está lá. Não tem como acabar com ela.

Ídolo da torcida por sua passagem em 2008/2009, Cristian retornou ao Timão no início de 2015 após fazer sucesso na Turquia, onde jogou pelo Fenerbahçe. Nas duas primeiras temporadas, foi pouquíssimo utilizado por Tite e pelos treinadores que o sucederam: Cristóvão Borges, Oswaldo de Oliveira e o próprio Fábio Carille.

– De todos, Tite foi o mais correto comigo, apesar das palavras que falou para mim no ano passado quando não me inscreveu (no Paulistão), que achei um pouco pesadas, mas tive uma conversa olho no olho, falei o que achava, ele falou, a gente se entendeu, ele foi um dos mais corretos nessa passagem do Corinthians, deu opinião e eu escutei. Ele me cobrou que eu tinha que melhorar mais a parte física, que quando voltei da fisioterapia eu tinha que trabalhar mais. Eram dois períodos todos os dias. Consegui assim chegar no mesmo nível de força dos demais – contou o volante.

Cristian diz que não recebeu propostas da Chapecoense e da Ponte Preta, como chegou a ser ventilado. Torcedor declarado do Timão, admite que não pode fechar portas nem mesmo para clubes como Santos, Palmeiras e São Paulo, arquirrivais do Corinthians.

Em clima de desconfiança, o Corinthians começa o ano patinando. Confiante no potencial dos companheiros, porém, Cristian acha que as coisas vão melhorar para o time durante o ano.

– Mudaram muitas peças, mas essa história de que o time está se montando já deu, ano passado já veio, tem que botar ponto final nisso. O time é bom. Gosto muito do trabalho do Carille e dos seus auxiliares. Tem que dar liga, os jogadores têm que entender o que é Corinthians, saber a responsabilidade que é usar a camisa. Esse time ainda vai dar liga. Quando encaixar, acho que vai dar muita alegria para a torcida do Corinthians – desejou.

Fonte: GloboEsporte
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - Corinthians