Publicada em 16/02/2017, às 20:22

Fica até 2020? Cueva quer título pelo São Paulo antes de jogar na Europa

Feliz com desempenho do peruano, autor de três assistências e dois gols, torcida do Tricolor mostra apreensão por possível saída. "Gostaria de sair campeão", afirma

Cueva quer Europa e título no São Paulo (Foto: Érico Leonan/saopaulofc.net)

Cueva soma oito assistências e nove gols em 32 jogos pelo São Paulo. O desempenho do peruano empolga a torcida, principalmente nos clássicos, mas preocupa na mesma proporção. Afinal, os destaques do futebol nacional costumam despertar o interesse europeu, caso por exemplo de David Neres, vendido ao Ajax com apenas oito partidas pelo elenco profissional.

Diante da melhor fase da carreira, com números expressivos, Cueva vai ficar ou sair do São Paulo no futuro?

– Tenho contrato até 2020. A partir daí é com o São Paulo. Gostaria, claro, de ir à Europa um dia, mas sair campeão daqui. Deus permita que isso aconteça, mas tenho de trabalhar muito para isso – disse Cueva, nesta quinta-feira.

Leia Mais
- PSTC x São Paulo: ingressos à venda para a segunda fase da Copa do Brasil
- Wellington Nem se recupera de lesão e volta a treinar com bola no São Paulo
- A coragem do São Paulo do corajoso Ceni
- Araruna luta por vaga no São Paulo e para concluir faculdade neste ano
- Leia mais notícias sobre São Paulo em www.futnet.com.br/saopaulo

O destaque de Cueva nos clássicos aumenta a idolatria da torcida. Contra o Corinthians, na goleada por 4 a 0 no ano passado, no Morumbi, foram três assistências e um gol de pênalti.

Diante do Santos, na vitória de virada por 3 a 1 da última quarta-feira, ele marcou novamente de pênalti e serviu Luiz Araújo em jogada de efeito. Nos dois jogos ele celebrou os gols com gesto de levar a mão ao ouvido, inspirado em Riquelme, e levou cartão amarelo.

Antes de Lucas Pratto, pelo qual o São Paulo pagará 6,2 milhões de euros, Cueva era o maior investimento da gestão do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. Foram pagos US$ 2,5 milhões, o equivalente a R$ 8,8 milhões na época. A contratação, inclusive, gerou a saída do ex-diretor Luiz Cinha, por uma divergência financeira e de prioridades com o então executivo Gustavo Vieira de Oliveira.

Fonte: Globoesporte.com
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - São Paulo