Publicada em 11/01/2017, às 10:34

Richard Luca venceu lixão para se destacar pelo Santos na Copinha

Com 1,60m, revelação do Peixe quer mostrar que tamanho não é documento e conta como foram os dias que passou na casa do ídolo Neymar em Barcelona

Com 1,60m, Richard Luca usa velocidade na Copinha (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/ Santos FC)

A vida de Richard Luca se transformou em pouco tempo. De morar num lixão em Goiás a frequentar a casa de Neymar em Barcelona. De assistir todos os dias ao filme "Pelé Eterno" – o único DVD que tinha – a se tornar revelação do clube em que o Rei fez história. Espécie de 12º jogador do Santos na Copinha, o jovem meia não quer parar por aí. Daqui a quatro anos, sonha em estar no Manchester United, mas sem se esquecer de onde veio.

Nesta quarta-feira, o meia pode ser novamente titular do Santos, que enfrenta o Flamengo-SP em jogo eliminatório, às 15h30 (de Brasília), em Barueri – na primeira fase do torneio sub-20, jogou as três partidas, uma desde o início.

Richard Luca chegou ao Peixe em setembro do ano passado, após passar muito tempo indo com o velho Fusca do pai, que muitas vezes precisou ser empurrado por causa de problemas mecânicos, para o centro de treinamento do Goiás. Quando criança, ele morou com a família na comunidade Vale do Sol, separada por uma grade de um lixão em Aparecida de Goiânia.

Leia Mais
- Santos cede volante Alison para jogar o Campeonato Paulista pelo Red Bull
- Fechou! Bruno Henrique assina com o Santos e se despede do Wolfsburg
- Longuine aguarda por renovação com o Santos: "Meu plano é ficar"
- Técnico assume sub-20 do Santos e promete 'colocar a casa em ordem'
- Leia mais notícias sobre Santos em www.futnet.com.br/santos

– Nunca tivemos necessidade de pegar coisas no lixão, mas, quando caía alguma coisa lá que não estava vencida, íamos buscar, como carne, iogurte, refrigerante... Comecei a jogar futebol lá, com os amigos mais velhos. Meu pai tinha medo que eu me machucasse. Eu vim do lixão. É um motivo de gratidão reconhecer que saí dali. Igual diz a música: "Com lágrimas nos olhos que se conta uma história bela" – conta Richard Luca, citando "Já Posso Suportar", de Pregador Luo.

A preocupação do pai, que comprava lixo para reciclar, era válida. Richard sempre foi franzino. Hoje, aos 19 anos, tem 1,60m de altura. Em campo, a camisa larga não esconde a baixa estatura do garoto – semelhança que o faz ser comparado com o começo de carreira de Robinho.

– Tamanho hoje não se julga muito. Muita gente desacreditou em mim no começo. Falou que eu não daria certo, que eu deveria ser mais forte e mais alto. Hoje, já estão mudando de ideia. Não tenho medo dos zagueiros, eles que devem ter medo de mim. Gosto de driblar, ir para dentro. Estou pedalando demais ultimamente, até parecendo o Robinho – comenta, aos risos.

Além do Rei das Pedaladas, outra inspiração de Richard é Neymar. No ano passado, o jovem, por intermédio de empresários, teve oportunidade de passar alguns dias na casa do craque em Barcelona.

– Foi uma experiência bacana demais. Ele é de tirar o chapéu, me deu conselhos para seguir em frente, disse que aparecerão dificuldades, mas que é para enfrentar. Até ganhei dele no videogame, de 3 a 2. Ele foi com o Barça, eu, com o Real. Parecia que eu tinha sido campeão do mundo... Mas, quando fui jogar pôquer, só apanhei – recorda.

Os grandes ídolos de Richard Luca são os raios que a base do Santos lançou para o mundo do futebol. Apesar de alguns jovens não valorizarem a história, o meia recorda que suas primeiras lições da bola foram com Pelé.

– Teve um cara que me ajudou no meu começo, chamado Paulo. Ele me deu DVD, televisão e uma cópia do filme do Pelé, aquele "Pelé Eterno". Eu passava o dia todo assistindo. Espero um dia chegar perto das conquistas dele pelo Santos.

Fonte: GloboEsporte
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - Santos