Publicada em 11/01/2017, às 15:42

Mustafá registra chapa com Leila e marido para eleição no Palmeiras

Líder do "Palmeiras Forte" (grupo político pelo qual o casal irá concorrer), ex-presidente do clube protocola candidatura logo no dia da convocação da eleição

Grupo de Mustafá não teme que candidatura não passe (Foto: César Greco / Ag. Palmeiras / Divulgação)

Mesmo com matrícula ainda pendente, a candidatura de Leila Pereira ao Conselho Deliberativo do Palmeiras está protocolada. Ainda nesta quarta-feira, após publicação do edital de convocação para a eleição, o grupo político "Palmeiras Forte", pelo qual ela irá concorrer, protocolou chapa na secretaria. A informação foi publicada pelo jornal Folha de S.Paulo e confirmada pela reportagem.

O ato formal foi conduzido pelo ex-presidente Mustafá Contursi, líder do grupo. Além de Leila (cujo título ainda será novamente analisado pelo atual mandatário, Maurício Galiotte), também seu marido, José Roberto Lamacchia, assinou declaração para ser um dos 91 nomes.

Dono da Crefisa e da Faculdade das Américas (FAM), empresas que patrocinam o Palmeiras e investiram R$ 78 milhões em 2016, o casal é esperança de Mustafá para aumentar o número de votos e, consequentemente, o de vagas para seu grupo nos próximos quatro anos.

Leia Mais
- Dupla de ataque marca, São Paulo bate o Palmeiras e mantém tabu
- Barcelona sonha com Mina antes do combinado. Falta acertar com o Palmeiras
- Palmeiras pode voltar a vencer três jogos seguidos contra o São Paulo após 20 anos
- Isolado como Rei dos Clássicos no Verdão, Dudu é cruel em Choque-Rei
- Leia mais notícias sobre Palmeiras em www.futnet.com.br/palmeiras

Em dezembro, a matrícula de Leila foi considerada irregular em averiguação realizada a pedido do então presidente Paulo Nobre. A empresária seria sócia-remida há pouco mais de um ano e estaria se valendo de um registro retroativo (um título de sócia-benemérita de 1996 a ela ofertado recentemente) como saída para atender ao requisito de mínimo de oito anos como associada para concorrer.

A rápida formalização de sua candidatura é uma mostra de que o grupo não teme que ela seja impugnada. Uma brecha no estatuto permite registros com situação irregular. Neste caso, sua matrícula seria analisada somente depois do pleito pelos próprios conselheiros.

A eleição será em 11 de fevereiro, e as chapas precisam ser protocoladas até 26 de janeiro. Serão eleitos 76 novos conselheiros e 15 suplentes para um mandato de quatro anos.

Fonte: GloboEsporte
Clique para ver a matéria no site fonte

Mais sobre - Palmeiras