Publicada em 10/01/2017, às 12:05

Santos ignora desdém do Atlético-MG e insiste na contratação de Robinho

Clube mineiro diz que presidente Modesto Roma "está brincando", mas Peixe não desiste do sonho e está disposto a abrir os cofres pelo retorno do atacante

Robinho na reapresentação do Atlético-MG (Foto: Bruno Cantini/CAM)

O Santos está obcecado por Robinho e não desiste da contratação do ídolo. Nem mesmo a declaração de Eduardo Maluf, diretor de futebol do Atlético-MG, desanimou. O cartola afirmou que o presidente do Peixe, Modesto Roma, "está brincando" e que o Galo não libera o atacante.

Modesto é conhecido por seu bom humor e também pelas respostas enigmáticas, acompanhadas quase sempre de frases de efeito. Mas ele não está de brincadeira, nesse caso. O mandatário, inclusive, está disposto a abrir os cofres para convencer Robinho e o Atlético-MG.

Além de aceitar pagar salários fixos de R$ 600 mil – o Rei das Pedaladas recebe R$ 450 mil + bonificações por metas alcançadas –, o Peixe pode compensar o Galo pela liberação. O contrato se encerra ao fim de 2017.

Leia Mais
- Milton minimiza problema com ônibus do Vasco: 'Coisa que acontece'
- Zago reconhece atuação ruim do Internacional: 'Pior do ano'
- Dupla de ataque marca, São Paulo bate o Palmeiras e mantém tabu
- Milton elogia apoio da torcida e crê que essa união pode ser um trunfo do Vasco

O Alvinegro ofereceu cerca de R$ 7 milhões por Marinho, proposta que foi recusada. E boa parte desse valor poderia ser destinada ao retorno do Menino da Vila. Os salários seriam pagos com a ajuda de investidores.

O problema é que, além da falta de interesse do Atlético-MG em negociar Robinho, o próprio jogador ainda não se posicionou. O Santos esperava que ele "fizesse força" para retornar, mas o atacante se reapresentou normalmente na Cidade do Galo na última segunda-feira.

O Peixe se reuniu com a advogada e representante do atleta, Marisa Alija, na última sexta-feira, e mantém os contatos. A esperança é que Robinho queira voltar, e o Atlético-MG abra mão dele por questões financeiras, já que a Dryworld, empresa que pagaria a maior parte dos salários, não cumpriu com o acordo e deixou o clube. O sonho, porém, ainda está bem distante.

Fonte: GloboEsporte
Clique para ver a matéria no site fonte

Últimas